Lembrando Você! O amor que partiu para não voltar

Lembrando Você!

O amor que partiu para não voltar

Não. Lembrando apenas um sonho.

namoro, amor

prosa poética – texto

Lembra amor, do nosso primeiro encontro? Fazia frio lá fora e você chegou com seu ar de maroto, sorriso nos lábios, ansiedade no olhar.

Eu lhe esperava como uma menina tímida, encostada na janela, olhando a vida passar.

 O coração não sei se batendo rápido, trôpego ou devagar. Respiração presa; boca e entreaberta, querendo falar o que não sabia dizer.

Só sei que quando ergui meus olhos e lhe vi sorrindo pra mim, o meu impulso de entrega foi mais forte que os meus receios de mulher.

Ah! Seus braços me enlaçaram, seus lábios me tocaram e senti naquele instante como se você fosse o primeiro, o único  ou talvez quem sabe, meu último amor.

Ah! Não consigo me lembrar! Era um desejo imenso, um fogo intenso tomando conta do meu ser. Era uma vontade tamanha de entrega, de permanência, sentindo sua presença, seu corpo, seu cheiro, seu riso, sua música, seu grito, seu lamento, sua súplica, sua busca, seu abandono, sua posse, seu egoísmo, sua doação.

Mas, mesmo assim, depois de tanto amor, tanta volúpia, tanto desejo, você foi embora. Deixou apenas saudades, de momentos vividos, de outros não vividos, somente sonhados ou desejados.

Você partiu. A noite escureceu, o dia amanheceu, o sol clareou lá fora, veio a chuva feita de lágrimas e lavou as ruas por onde seus passos caminharam em busca dos meus.

Você partiu. E de novo vieram outras noites, outros dias, o ciclo da vida não parou, só meus pensamentos ficaram assim parados,  como se presos naqueles momentos de amor, que por certo não voltam nunca mais.

Onde está você, me diga? Onde estão nossos sonhos, nossas confidências, nossos desejos?

Quero viver de novo, momento a momento, instantes a instantes do sonho vivido com você, mesmo que nesta outra noite eu tenha que sentir, entregar, delirar e depois lhe ver partir, e como em reprise, ver outros sóis nascerem, outras luas se esconderem e de novo com minhas lágrimas lavar as ruas por onde seus passos tiverem retornado a mim, na ânsia louca de apagar lembranças; de não sofrer mais.

 Amo Você!

Beijos.


Autora: ReginaCelia – 14/06/2001

 

 

Sobre reginacelia

Sou Regina Celia nascida em 1944, formada em contabilidade mas trabalhando com serviços de textos e serviços secretarias desde 1977. Nos últimos 15 anos vem trabalhando na internet como apoio a web designers na criação de textos e estrutura de comunicação.
Esta entrada foi publicada em Crônicas e Poesias e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.