A visita – poesia de Regina Célia

A visita – poesia de Regina Célia

A Visita

a visita - flores com amor

Esperei-te debruçada na janela da vida,

olhando lá fora a noite negra e fria.

Esperei-te em passos lentos, titubeantes

perdida em meus sonhos alucinantes.

 

Esperei-te com toda a emoção contida

de todos os sonhos, sonhados e vividos

com toda ilusão bem dentro aquecida

com medo de não ser amada, nem querida.

 

Então chegaste, em passos decididos

a porta então se abre e em minha vida

tu te aportas, pra em beijos entontecidos

dominar este meu corpo, já de vencida.

 

Olho-te, com estes olhos de apaixonada,

olhos de poeta, de tonta, embevecida

e quero tocar no teu corpo de leve

acariciar teu rosto e cabelos de neve.

 

Ah! Ah! Vieste! e me tomaste nos braços

e num abraço, beijaste-me a boca

possuindo m’alma e o corpo de louca

só para meu coração fazer em pedaços.

 

Vieste!! E então, amor, por que tu vieste?

Se por certo não foi pra me trazer flores?

Se… se não foi para me trazer amores?

 

Vieste! E então, amor por que tu vieste?

Se por certo não foi para me trazer cores?

Se… se foi apenas para me trazer dores?

 

 

ailecaniger-reginacélia

Direitos Autorais Reservados

escrita em 24 de agosto de 2000.

 

Sobre reginacelia

Sou Regina Celia nascida em 1944, formada em contabilidade mas trabalhando com serviços de textos e serviços secretarias desde 1977. Nos últimos 15 anos vem trabalhando na internet como apoio a web designers na criação de textos e estrutura de comunicação.
Esta entrada foi publicada em Crônicas e Poesias e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.